sábado, 28 de março de 2015

Cinderela



O poster do filme 'Cinderela' (USA - 2015) dá a idéia de um filme sombrio, mas o que se vê na tela do cinema é um filme iluminado, que faz o espectador sorrir e se emocionar. Hoje eu saí sorridente da sala do Kinoplex do Shopping  do Vila Olímpia, entusiasmada com o filme. A nova versão é muito envolvente e preserva todos os elementos do conto de fadas que todos nós conhecemos. Gostei disso, nada de invencionices, a história segue o rumo de sempre, com final feliz! 



O casal de protagonistas é encantador,  Lily James e Richard Madden são lindos e carismáticos! Fazem a gente acreditar no amor à primeira vista. Mas nesta versão o amor não é tão a primeira vista assim,  há o encantamento instântaneo quando eles se encontram na floresta pela primeira vez, mas depois, já no baile, os dois passam um bom tempo juntos, conversando. Achei legal isso de ter tipo um 'namorinho' entre os dois, mostrar os dois tendo um contato mais próximo e vendo o encantamento virar algo maior. Me emocionei quando o final feliz acontece! 




Confesso que o que me animou mesmo a ir ao cinema foi o curta-metragem com os personagens do 'Frozen', estava morrendo de saudades de todos!  Adorei o filminho, lindo e bem engraçado. Traz bem espírito  do filme original e ainda faz piada com a música da Elsa, mas não vou contar aqui para não estragar a surpresa para quem ainda  não assistiu. Olaf continua super divertido neste curta, garantindo muitas risadas! Elsa e Anna estão lindas, os vestidos estão maravilhosos. Nesta foto,  o vestido de Anna ainda é o simplesinho, antes de ela 'ganhar' da Elsa o vestido para a festa de seu aniversário. 

A sessão de 'Cinderela' vale muito a pena para quem é fã das  princesas da Disney. Adorei rever a Elsa e a Cinderela.  E vale a pena  também para quem é romântico como eu e gosta de uma linda história de amor, daquelas que nos fazem suspirar.  


quinta-feira, 26 de março de 2015

Implicâncias!




O mundo anda muito, mas muito chato. Hoje tudo pode ser ofensivo para alguém e aí se cria aquele climão bem desnecessário.  Estes últimos dias me deparei com duas situações assim e que achei muito nada a ver.   Reclamações que prefiro chamar de implicância, pois não tem relevãncia, pois não há nada ofensivo no material  produzido. Há sim gente chata implicando com tudo! 

Vi a foto acima no Facebook, com um texto reclamando da vitrine da loja. Olhei a foto por um tempo e fiquei intrigada, afinal, não vi nada de errado e até achei a composição bonita, a árvore com a bicicleta.   Resolvi então pesquisar a razão da reclamação e descobri que a bicicleta toda branca pode ser um símbolo para representar um ciclista morto em acidente.  E quem sabe disso?  Pouca gente, eu não sabia, provavelmente muitos que lêem este post também não. O vitrinista muito menos, que deve ter escolhido a bike branca porque branco remete ao frio e a vitrine era sobre o outono, quando o clima começa a esfriar.  Mas viram a vitrine como uma falta de respeito com os ciclistas mortos e reclamaram com a loja, que acabou retirando a bike da vitrine.   Achei isso exagerado.   A loja tirou para evitar mais polêmica, mas acho que não deveria tirar não, afinal, para a maioria das pessoas, incluindo eu, a vitrine nada mais era do que uma vitrine bonita e ponto. 




Outra polêmica desnecessária foi em relação os nomes dos novos esmaltes da Risqué, que relatam ações cotidianas de carinho e amor.  Bem tipo as frases do "Amar É'. As cores têm nomes como "Fê Mandou Mensagem"  e " Leo mandou flores", pequenos gestos que fazem a gente sorrir.   Eu sou daquelas que adoro estas pequenas demonstrações de carinho, que acabam sendo o combustível de um relacionamento amoroso. Mas as feministas radicais de plantão não gostaram e atacaram a marca, argumentando que era uma linha machista, que era um absurdo homenagear os homens por ações corriqueiras e que não teriam mérito algum. 

Eu achei os nomes bacanas e românticos, todo mundo que tem algum namorado, marido, paquera, rolo, sabe como é bom receber um recadinho de amor  no meio do dia, assim do nada. Como é legal receber uma pequena surpresa, como ganhar um picolé do seu amor num dia verão!  Achei tão legal a marca enaltecer ações corriqueiras, coisas simples que fazem a gente sorrir.  Num mundo onde cada mais mais as pessoas ligam para os bens materiais, é bom  ver   ações cotidianas serem destacadas.  Não seria legal se a marca colocasse coisas como : " Fulano me deu um carro novo", "Sicrano me levou no restaurante mais chique da cidade" ou "Zezinho me deu um colar caríssimo".  Isso seria ofensivo, seria chamar as mulheres de interesseiras, movidas a presentes caros!   

Acho que as pessoas estão radicais demais, procurando pêlo em ovo e esquecendo as grandes questões.  É muito chato isso, tudo pode ofender, tudo pode estar politicamente incorreto!   Vamos parar de paranóia, vamos viver e deixar viver! Vamos fazer barulho pelo  que realmente importa e não por uma bicicleta na vitrine ou o nome do esmalte. 


terça-feira, 24 de março de 2015

Melhor Check -in!

Foto tirada ontem!


Nada melhor que voltar para casa, ainda mais depois de um dia de trabalho e de ter enfrentado o  combo busão cheio + trânsito.  Eu gosto de chegar e ficar sem fazer por um tempo, descansar mesmo, corpo e mente.  Claro que, com gatos em casa, o descanso tem que esperar um pouquinho, pois tenho que cuidar dos filhotes primeiro, mas depois, fico uns bons minutos largada no sofá sem fazer nadinha. 

Sou bem caseira, do tipo que curte ficar em casa, te ficar perto das minhas coisas, ficar escutando música, vendo novela,  lendo revista e fazendo cafuné nos filhotes.  Não tem lugar que fique mais à vontade que minha casa, é onde eu consigo relaxar pra valer. 

Agora a chegada em casa está mais divertida, o meu novo capacho garante uma alegria extra ao chegar na porta de casa.  Adorei quando vi na Etna! Achei muito bacana a idéia de mesclar o capacho com o Google Maps!  É bonito, colorido e divertido! Bem do jeito que gosto de ter as coisas em casa, nada de sobriedade chata!  Em casa tem que ter cor e leveza!  Adoro coisinhas diferentes divertidas. 

Comprei outro para a cozinha, um que tem o Instagram como motivo, mas como já faz uns dias que está no chão e os filhotes estão fazendo de caminha, não está muito fotografável, pois já está cheio de pelos. Já preciso limpar o tapetinho. Quando estiver bonitinho de novo, eu tiro uma foto! 






segunda-feira, 23 de março de 2015

Preguiçosa!





Quando soube que trabalharia uns dias à tarde durante o mês de março, cheguei a me animar, pois pensei logo em pedalar cedinho, quando raramente chove e o parque ainda está vazio. Esta idéia  me encheu de ânimo. Mas isso não durou nada, na verdade isso ficou só teoria! Esta é a terceira semana que estou no esquema de trabalhar dois dias da semana no período vespertino e até agora nada!  Em vez de sair cedinho para pedalar, acabou voltando pra cama depois de cuidar dos gatos e lá fico até umas 8 e pouco, quando já não dá mais tempo para sair, pedalar, tomar banho e sair na hora certa para o trabalho.  A preguiça me domina de um jeito impressionante nestes dias, tanto que já desisti de lutar contra ela. Aceitei a realidade e não me aborreço mais. Teve um dia que fiquei muito brava comigo por não ter levantado para ir andar de bike!  Foi uma briga interna épica.  Mas hoje estou bem tranquila com isso, pois pedalei bem no fim de semana, então não tem porque me martirizar por querer aproveitar um pouco de sossego matinal, coisa impossível na minha rotina normal, pois saio de casa às 6:30 da matina para ir trabalhar. 

Só tem uma coisa ruim nesta troca de horário: O trânsito! É impressionante como pego muito mais trânsito para ir trabalhar meio-dia  do que eu pego quando entro às 8 da manhã.  No primeiro dia quase cheguei atrasada, saí com a mesma antecedência que saio de manhã, mas não deu!  Agora aprendi e sei que tenho que pegar o ônibus uns minutos antes, senão chego tarde e chegar tarde me aborrece mais do que me entregar à preguiça. 

Semana que vem volto à rotina normal. Gostei desta quebra da rotina, bom sair do esquema um pouco.  


domingo, 22 de março de 2015

Rebel Heart





Esta semana comprei o novo CD da Madonna, Rebel Heart.  Eu já conhecia as músicas e gostava, pois comprei na pré-venda pelo iTunes alguns meses atrás.  Mas mesmo já tendo as músicas legalmente, fui comprar o CD.  Ter música no iTunes  ou no Spotify não é a mesma coisa que ter o CD.  Sou das antigas,  mesmo adorando as novas tecnologias para ouvir e comprar música, quando eu sou fã mesmo do artista, tenho que ter o CD.  

É, pensando racionalmente, comprei o álbum duas vezes!  E não me importo, fazia isso algumas vezes na época dos LPs e das fitas-cassetes. Comprava o LP  e a fita!  Coisa de fã, não tem muito sentindo para quem vê de fora, mas para a gente é a coisa mais óbvia de se fazer. 

Eu tenho em CD todos os álbuns lançados por ela,  faltam ainda alguns  como edições especiais, trilhas de filme. Mas o que ela lançou como álbum oficial de sua carreira, tenho todos.  Não poderia deixar de comprar o último e vou continuar a comprar, não importa se já tenha adquirido a versão digital. 

Gostei muito do disco, apesar de torcer um pouco nariz para as faixas que ela faz para angariar fãs novos, como as que ela grava com a Nick Minaj. Não consigo gostar. Acabo me acostumando com as músicas, mas não tem como achar boa de verdade.  Agora, quando ela faz as músicas do jeito dela, nossa, fica algo maravilhoso!  Há músicas lindíssimas, como Ghosttown, minha preferida! 

Vou continuar agora a escutar o disco! :)