Minha Letra




Até que não demorou muito para a nova corrente internética chegar até mim.  Se bem que não sei nem como e nem onde começou, mas tomei conhecimento dela na sexta-feira, então digo que chegou rápido até mim. 

Fui colocada nessa pelo Gammelo, que me pediu para mostrar a minha letra.  Topei a brincadeira, mesmo sem saber o que eu escreveria. Mas aqui está a minha letra, neste mundo onde a gente já não sabe como é a letra de ninguém. 

Eu escrevo à mão cada vez menos e cada vez mais tenho medo de desaprender como escrever.  Percebo que perdi firmeza nos traços, a minha letra, que nunca foi muito boa, sai cada vez de um jeito toda vez que preciso escrever.  Perdi o costume mesmo! 

Na escola vivia tendo que encarar o caderno de caligrafia, mas não adiantou muito não. Na hora do ditado sempre sofria horrores, pois escrevo muito devagar!  Nunca conseguia acompanhar a professora, mesmo que ela falasse bem devagar! Se eu escrever rápido, nem eu entendo depois. 


Eu espero que a escrita cursiva não desapareça, pois é um jeito muito pessoal de comunicação. Acho uma carta escrita à mão muito mais impactante que um e-mail.  Claro que um e-mail pode emocionar, mas pense no mesmo texto escrito à mão pelo autor do e-mail.  Fica muito mais pessoal, né? 

Mas cartas são coisas praticamente do passado. Outro dia li que o volume de cartas postadas aqui no Brasil caiu muito. É, ninguém mais escreve cartas. Mas também é coisa de gente saudosista como eu, querer que as pessoas se comunique através de cartas, que demoram dias e dias  para chegar, quando um e-mail ou uma mensagem via zap zap chega em segundos ao destinatário. Talvez, no mundo imediatista de hoje, não haja mesmo mais lugar para uma carta escrita à mão. 




Comentários

  1. Gosto de escrever à mão, mas digitar é mil vezes mais rápido e só assim pra acompanhar meu raciocínio. Até consigo escrever à mão rápido, mas aí eu não entendo a letra depois. Tem coisas, como lista de supermercado, que simplesmente não consigo digitalizar, se não for no papel não funciona pra mim, mas é tão pouco! Outro dia escrevi uma carta pra uma amiga e na primeira folha minha mão já estava doendo!
    Gosto de cartas, sempre escrevi, mas faz anos que parei. Elas servem mais para um saudosismo mesmo, porque para dar notícias importantes ou manter uma conversa dinâmica não tem jeito, tem que ser com tecnologia.
    Estou adorando essa brincadeira de mostrar a letra, não tem como não imaginar a pessoa por trás delas, né?
    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Re, gostei da brincadeira e de ver a letras das pessoas!

      Ah, minha mão também dói quando eu escrevo e eu não sei escrever em linha reta se a folha não tiver pauta!

      Beijos

      Excluir
  2. eu ainda escrevo bastante, embora seja muito tímida para mostrar minha letra por aí. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
  3. Achei sua letra linda. Eu ainda escrevo cartas achp tao legal.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Vamos, comente!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Na Secadora Não!

Ovono

Papel e caneta