Pular para o conteúdo principal

13 Reasons Why



Geralmente eu assisto aos seriados na mesma levada que Clay escuta as fitas cassetes que Hanna deixou depois de sua morte. Mas com '13 Reasons Why' (Netflix/2017), foi diferente, assisti uns 2 episódios por dia. Terminei a série em uma semana. No meu ritmo normal, levaria uns 2 meses. Mas com esta série o envolvimento foi bem forte e queria assistir tudo o mais rápido possível. Precisava saber o que realmente tive levado Hanna a tomar uma decisão tão extrema, o suicídio, e precisava saber como Clay terminaria esta jornada tão dolorosa. 

Por tratar de um assunto tão tabu como o suicídio, há muita falação sobre ela, muitos elogios e muitas críticas bem duras. Eu gostei muito da série, pois tratou o assunto com a seriedade que merece, em nenhum momento tratou o tema com leviandade. Não há em nenhum momento a glamourização do suicídio. O espectador acompanha a história de Hanna, uma menina de 17 anos, através de episódios narrados pela protagonista, sempre com um tom sombrio, de desalento. Afinal, uma garota inteligente, linda e com a vida pela frente, põe fim a sua vida sem que, aparentemente, ninguém tenha percebido que algo ia errado em sua vida. A ação do seriado alterna os acontecimentos do presente, com Clay escutando as fitas e tentando entender tudo que aconteceu, e os fatos do passado, quando acompanhamos a vida de Hanna e vamos conhecendo os fatos que a levaram a encerrar a sua vida. 

O seriado é bem forte e é pesado de assistir. Me fez chorar algumas vezes e os dois últimos episódios me deixaram bem abalada. Não vou contar o final, mas realmente o roteiro é muito bem estruturado e não banaliza a situação. O seriado enfatiza a gravidade do bullying, do assédio/violência sexual, e  o nível de solidão, mesmo estando rodeada de amigos e família, que uma pessoa pode chegar. É chocante. É assustador. Por isso é importante, pois faz a gente refletir o que acontece na sociedade em que vivemos. Faz a gente pensar como pode ser alto o preço da omissão.

Além de Hanna e Clay, o seriado nos apresenta os colegas de escola que tinham mais proximidade com a Hanna e que são citados nas fitas. O seriado consegue traçar um perfil profundo de cada um, conseguimos conhecer o lado bom e ruim de cada um. A cada episódio fui mudando o meu conceito de alguns personagens. Fui da raiva à pena e ao contrário também. Fiquei muito comovida também com a situação dos pais de Hanna. A desolação daqueles pais é de cortar o coração. 

Vou ainda ficar por muito tempo com este seriado na cabeça.  Estou esperando os mais chegados terminarem para conversar a respeito. É uma série que rende muitas conversas e muita reflexão também. Um seriado impactante sobre um assunto bem complicado. Vale a pena assistir. 


Nota da blogueira:  Adorei o texto do blog 'Morte Sem Tabu' sobre a série. Clique AQUI para ler. 


Comentários

  1. fiquei curiosa, mas não sei se gostaria de ver algo dessa temática nesse momento. beijos, pedrtai

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pedrita, não é um seriado fácil. É muito brutal a realidade que ele retrata. Mas é muito bom. Quando chegar o momento certo, você assistirá. Beijos

      Excluir
  2. Estou assistindo e ainda estou muito no inicio( 2º episódio). Mas estou achando confuso.
    Por que Clay sai feito louco atrás de fitas? Mas isso, sei que com a continuação vou terminar entendendo.
    Vou ler o comentário do blog que vc cita.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Liliane! Ele vai procurar os locais onde os fatos narrados por Hanna aconteceram e vai atrás das pessoas envolvidas.

      Excluir
  3. Um soco na alma, te faz lembrar q vc superou coisas mas tem outras q não sabe como seria menos tentando se por no lugar da Hannah. Tô digerindo td mas uma lição​ clara: empatia, falta tanto isso no mundo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Vamos, comente!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Na Secadora Não!

Quando eu comprei a minha máquina de lavar  com secadora embutida, achei que não teria mais que colocar nadinha no varal para secar. Que seria apenas colocar na máquina e depois só levar para o cesto de passar roupa, pulando por completo a chatíssima etapa de tirar as roupas da máquina e pendurar no varal.  Na maior parte do tempo é isso que acontece, economizando muito tempo e paciência. Mas infelizmente tem muita roupa que não posso deixar para secar na máquina. 
Depois que comecei a usar a secadora, me dei conta da quantidade de roupas vendidas por aqui que apresentam o símbolo de proibido secar em tambor na etiqueta.  Não pensem que falo de roupas mais delicadas, como roupas para festas. Roupas do dia a dia, como simples camisetas, vêm com este  frustrante símbolo estampado em suas etiquetas. É um absurdo nos dias de hoje ainda se fabricam roupas que não aguentam uma secagem de máquina. Com certeza há tecnologia para fazer tecidos que aguentam o tranco, mas por alguma razão, as rou…

Papel e caneta

Eu nunca tive uma letra muito bonita. Na época de criança a minha letra era feia e grande. Nunca conseguia ir bem nas aulas de caligrafia, não conseguia escrever dentro dos limites daquelas linhas diminutas. Na época do colegial minha letra melhorou, deixei a letra cursiva de lado e passei a escrever com letra de forma.O meu jeito de escrever é inspirado na letra do meu pai, que escrevia em letra de forma e tinha uma letra linda. A minha letra nem chega perto do jeito lindo que ele escrevia, mas é bem legível. Mas ultimamente venho notando que a minha letra está piorando. Tenha escrito do modo convencional, usando papel e caneta, cada vez menos. Praticamente tudo que escrevo hoje em dia é escrito diretamente no computador ou no celular. Com certeza a falta de prática está fazendo a minha letra piorar e isso me faz pensar que pode chegar o dia em que eu esqueça como escrever. Será que é um temor exagerado? Não sei se realmente pode chegar a isso, mas é fato que cada dia a escrita conve…

Ovono

O nome da bola da foto é Ovono, e na verdade não é uma bola e sim um cérebro artificial. Um ser capaz de assimilar todo o conhecimento do mundo e interagir com as pessoas de forma quase humana. Mesmo sendo muito inteligente, ele não consegue assimilar idéias abstratas como sentimentos, não entender o amor ou a fé.  Este diferente ser é o ponto de partida do espetáculo 'Ovono' que está em cartaz no teatro do Centro Cultural Banco do Brasil em São Paulo. A peça é um história de ficção científica, o que garante o charme inicial do espetáculo, pois é bem estranho pensar um espetáculo teatral com esta temática. Eu nunca tinha ouvido falar de algo assim. Fiquei muito curiosa e Wally mais ainda, afinal, ele ama filmes ficção científica. 
Segunda à noite fomos assistir ao espetáculo e gostamos muito. Além de realmente ser um peça diferente de tudo que eu já havia visto, lida com temas bem complexos. Levanta questionamentos sobre nosso mundo, de como a tecnologia afeta a nossa humanidad…