13 Reasons Why



Geralmente eu assisto aos seriados na mesma levada que Clay escuta as fitas cassetes que Hanna deixou depois de sua morte. Mas com '13 Reasons Why' (Netflix/2017), foi diferente, assisti uns 2 episódios por dia. Terminei a série em uma semana. No meu ritmo normal, levaria uns 2 meses. Mas com esta série o envolvimento foi bem forte e queria assistir tudo o mais rápido possível. Precisava saber o que realmente tive levado Hanna a tomar uma decisão tão extrema, o suicídio, e precisava saber como Clay terminaria esta jornada tão dolorosa. 

Por tratar de um assunto tão tabu como o suicídio, há muita falação sobre ela, muitos elogios e muitas críticas bem duras. Eu gostei muito da série, pois tratou o assunto com a seriedade que merece, em nenhum momento tratou o tema com leviandade. Não há em nenhum momento a glamourização do suicídio. O espectador acompanha a história de Hanna, uma menina de 17 anos, através de episódios narrados pela protagonista, sempre com um tom sombrio, de desalento. Afinal, uma garota inteligente, linda e com a vida pela frente, põe fim a sua vida sem que, aparentemente, ninguém tenha percebido que algo ia errado em sua vida. A ação do seriado alterna os acontecimentos do presente, com Clay escutando as fitas e tentando entender tudo que aconteceu, e os fatos do passado, quando acompanhamos a vida de Hanna e vamos conhecendo os fatos que a levaram a encerrar a sua vida. 

O seriado é bem forte e é pesado de assistir. Me fez chorar algumas vezes e os dois últimos episódios me deixaram bem abalada. Não vou contar o final, mas realmente o roteiro é muito bem estruturado e não banaliza a situação. O seriado enfatiza a gravidade do bullying, do assédio/violência sexual, e  o nível de solidão, mesmo estando rodeada de amigos e família, que uma pessoa pode chegar. É chocante. É assustador. Por isso é importante, pois faz a gente refletir o que acontece na sociedade em que vivemos. Faz a gente pensar como pode ser alto o preço da omissão.

Além de Hanna e Clay, o seriado nos apresenta os colegas de escola que tinham mais proximidade com a Hanna e que são citados nas fitas. O seriado consegue traçar um perfil profundo de cada um, conseguimos conhecer o lado bom e ruim de cada um. A cada episódio fui mudando o meu conceito de alguns personagens. Fui da raiva à pena e ao contrário também. Fiquei muito comovida também com a situação dos pais de Hanna. A desolação daqueles pais é de cortar o coração. 

Vou ainda ficar por muito tempo com este seriado na cabeça.  Estou esperando os mais chegados terminarem para conversar a respeito. É uma série que rende muitas conversas e muita reflexão também. Um seriado impactante sobre um assunto bem complicado. Vale a pena assistir. 


Nota da blogueira:  Adorei o texto do blog 'Morte Sem Tabu' sobre a série. Clique AQUI para ler. 


Comentários

  1. fiquei curiosa, mas não sei se gostaria de ver algo dessa temática nesse momento. beijos, pedrtai

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pedrita, não é um seriado fácil. É muito brutal a realidade que ele retrata. Mas é muito bom. Quando chegar o momento certo, você assistirá. Beijos

      Excluir
  2. Estou assistindo e ainda estou muito no inicio( 2º episódio). Mas estou achando confuso.
    Por que Clay sai feito louco atrás de fitas? Mas isso, sei que com a continuação vou terminar entendendo.
    Vou ler o comentário do blog que vc cita.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Liliane! Ele vai procurar os locais onde os fatos narrados por Hanna aconteceram e vai atrás das pessoas envolvidas.

      Excluir
  3. Um soco na alma, te faz lembrar q vc superou coisas mas tem outras q não sabe como seria menos tentando se por no lugar da Hannah. Tô digerindo td mas uma lição​ clara: empatia, falta tanto isso no mundo.

    ResponderExcluir
  4. Assisto as sérias até que rápido, mas essa foi bem além, menos de 1 semana rs.. História bem construída, ficamos sedentos pelos próximos capítulos ^^

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Vamos, comente!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Na Secadora Não!

Ovono

Meus Furacõezinhos!