Trabalho


Eu sou uma trabalhadora responsável. Sempre procuro fazer o meu trabalho bem, não gosto de fazer as coisas mal feitas ou deixar assuntos sem resolver. Mas tudo isso dentro do expediente. Sou um reloginho, chego pontualmente e saio pontualmente. Para que eu fique no meu trabalho além do meu horário tem que ser realmente necessário. O trabalho é parte da minha vida, mas não deixo que vire o item principal da minha vida. Eu vejo que é cada vez mais normal as pessoas ficarem no trabalho além do expediente, se matarem de trabalhar e praticamente abdicarem da vida particular. Muitas vezes os que fazem isso não recebem nada em troca. Não é justo. O trabalho é uma relação de troca e esta troca tem que ser justa. Eu trabalho em troca de um salário e tenho assim obrigação de cumprir minhas tarefas no horário que me foi estipulado. Tudo que sair do estipulado tem que ser negociado e uma nova troca tem que ser estabelecida. Se eu preciso trabalhar em um sábado eu exijo um dia de folga extra. Se tiver que ficar mais tarde, é justo que eu receba em troca uma hora de folga extra. Nunca vou alterar esta postura, mesmo sabendo que ela pode ser vista com antipatia na empresa. Mas não vou dar o meu trabalho de graça, afinal não trabalho por caridade, e sim porque preciso do meu salário. Se eu aceito trabalhar sem obter o retorno devido eu estou me desavalorizando, e assim deixo a empresa mal acostumada, sabendo que sempre estarei à disposição. A empresa fica em uma situação muito confortável, paga por um período de trabalho e ganha mais tempo de trabalho de seu empregado. Mas eu não estou em promoção, e nunca me sujeito a este tipo de coisa. Muito se fala em "vestir a camisa" da empresa, e parece que é senso comum que isso significa estar à disposição da empresa tempo integral. Eu discordo. Eu sou dedicada ao meu trabalho, me esforço para que tudo saia certo, mas tudo dentro do espaço em que o trabalho ocupa em minha vida. Sem exageros. Nem por isso me acho menos dedicada que os outros que ficam até de madrugada na empresa. Na verdade são ponto de vista diferentes. Se a pessoa se sente bem trabalhando 14,16 horas por dia, perfeito. O problema é que na maioria das vezes as pessoas se embrenham neste ritmo insano de trabalho por medo de perder o emprego, sentem-se pressionadas e têm receio de colocar limites nos horários de trabalho. Ficam assim sem vida pessoal, e acabam se anulando como pessoa, virando um robozinho trabalhador. A última coisa que quero nesta vida é virar um robozinho trabalhador. Queria mesmo era virar madame! E viver só o lado bom da vida!!! Mas enquanto isso não acontece ( e acho que não vai acontecer mesmo) sigo trabalhando e sempre tomando o cuidado para o trabalho não invadir a minha vida particular.


Comentários

  1. pior é nas entrevistas de emprego na minah area so querem saber se topam hora extra sem ganhar um puto... fora q hj achei um que 8 horas querendo pagar 50 reais a mais q um salario minimo!! e nao é p; assistente nao é para designer!!!! Estamos numa cirandode nego que adora jogar na sua cara nao quer tem queira e por bem menos. Acho tb q temos uma politica trabalhista muito restritiva e cara.. mas sindicalista so quer saber dessas coisas retrogradas e do nosso dia de trabalho na continha deles... bem chega senão vai virar um post isto aqui

    ResponderExcluir
  2. É muito bom mesclarmos vida pessoal com vida de trabalho, pq a vida passa velozmente e apesar de acreditar que exista vidas além desta, procuro hoje em dia, "olhar o mundo ao meu redor". Sei conscientemente que a vida de jornalista é sacrificante, mas foi ela que escolhi para exercer com amor e afinco. E vamos à Luta, Patry.
    Bjos grande,
    Isa.

    ResponderExcluir
  3. no meu caso nunca existiu horário do expediente. tanto que sempre me incomodou empresas que exigiam horários daquilo que não existe e não tinham tolerância a atrasos matutinos depois de trabalhos exaustivos noturnos. flexibilidade eu acho fundamental. vejo novela às 18hs, nem sempre parei de trabalhar, dei uma pausa, mas hoje posso fazer o meu horário. passar uma segunda descansando depois de ter me matado em um fim de semana. comigo funciona muito bem horário flexível e não suporto trabalhar em empresas com horários claros. ah, lendo o da sugar, uma dessas empresas que trabalhei pagava extra, mas a chefe me disse uma vez que repensava se ia me pagar, já que eu gostava muito e me divertia muito no trabalho noturno, então que ela não via muito o porquê de me remunerar nas horas extras, sei. tanto que na minha estrutura posso até trabalho terça às 23horas resolvendo algo por telefone, mas eu exijo depois uma pausa no horário formal no outro dia. eu não sou uma chefa carrasco hehe. amiga, por sorte hoje as empresas vêem mal quem abdica da vida pessoal, eu tb vejo. e tb não entendo como jornalistas de redação, da área de teatro, música e cinema, não terem tempo pq o chefe não libera, pra eles assistirem os eventos. como eles vão ser bons sem verem aquilo que falam? mesmo q vc não precisasse do seu trabalho, trabalho é isso, remuneração, acho um absurdo não quererem pagar e ainda escravizarem funcionários com a pressão de que quem dá o sangue é melhor que outro. hum, boa tática. trabalho escravo também é assim hehe. vestir a camisa é fazer bem feito, não é se escravizar. me incomodo como vc como deturpam conceitos para ganhar trabalho do trabalhador de graça. fácil ter empresa assim. eu adoro trabalhar e não queria ser madame não. amo meu trabalho, mas gosto de flexibilidade. detesto ser obrigada a estar nos horários formais na frente do computador cabeceando na hora do descanso do almoço só pq não é permitido dormir, afe, e quem estava depois das 18h atendendo ao telefone? eu trabalho muito bem com horários flexíveis, mas detesto que me obriguem a convenções de estar disponível 24horas por dia. poder resolver algo a qualquer hora é uma coisa, mas estar na frente do computer só trabalhando esperando o contato 24 horas nem pensar. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
  4. Nossa, esse é um post "lenha na fogueira"! Vamos lá!
    Atualmente eu trabalho por conta própria, tenho minha própria empresa e estou pra me tornar sócio em outra. Isso significa abdicar de horários, muitas das vezes. Eu não tenho muita escolha, mas sempre procuro me reservar um tempo todo dia pra não me sentir esgotado, cansado ou escravizado por mim mesmo. O problema é que, no meu caso, hora trabalhada=mais grana. Assim você fica tentado a trabalhar mais do que consegue, mas aí é uma furada! Eu também trabalho pra viver, e não vivo pra trabalhar! Quando eu trabalhava numa grande empresa de telefonia, tinha esse lance rígido de horários, tanto para entrar quanto pra sair. O lado bom é que você não fica nem um minuto a mais, mas também o atraso é inadmissível. Algum tempo depois, começavam a te "obrigar" a fazer 2 horas extras por dia, é claro que a empresa se deu mal por isso na época, mas a falta de flexibilidade é uma coisa que detona qualquer um. Às vezes, eu acho que seria mais produtivo se eu não dependesse de estar sempre disponível no horário comercial, mas quando você presta serviços pra vários clientes não tem como fugir. Deixa eu parar por aqui também hehehe... Prometo um post sobre o assunto ainda essa semana.

    Cheers!

    ResponderExcluir
  5. Sugar, a relação empregador/empregador é bem complicada. Pois muitas empresas querem mesmo tirar vantagem do empregado. São poucos os lugares que o trabalho é devidamente reconhecido. E como vc disse, aqui ainda temos o agravante das leis trabalhistas que oneram muito as empresas e isso acabam por diminuir o salário. É complicado mesmo!

    Isabela,eu acredito que seja possível nos dedicarmos à vida profissional e mesmo assim termos espaço par anossa vida particular. Basta querer!


    Pedrita, eu queria mesmo ter um horário flexível. Mas isso é um sonho. Realmente é massacrante ter que cumprir horário em dias em que não há o que fazer. Muito bom ser como você que controla o seu prórprio horário.

    Rodrigo, é trabalhar por contato prória tem este risco mesmo, pois seu dinheiro depende exclusivamente do seu esforço e isso pode levar ao exagero. Sabe, quando a situação exige eu não vejo mal algum em ficar mais no trabalho. Eu mesma já fiquei uma vez até meia-noite! Mas era uma situação emergencial. O que sou contra é isso virar rotina.Aí é péssimo para o trabalhador e vira um ótimo negócio para o empregador. E espero pelo seu post.

    Adoro quando um post gera comentários ENOOOOOOOOOOOORMES!

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Bem, por isso eu não posso reclamar da minha chefíssima!!!

    ResponderExcluir
  7. adorei o post!hahahaha

    Queria mesmo era virar madame! E viver só o lado bom da vida!!![2]

    como diria tim maia...eu nao nasci p; trabalho, eu nao nasci p; sofrer!

    ResponderExcluir
  8. Demian, você é um homem de sorte!

    Galega, eu também não nasci pra sofrer! risos

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Um dos melhores posts por aqui =) O comentário seguiu por e-mail, e já foi até discutido! Assino embaixo!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. eu bem queria ser madame tb, e esse negócio de vestir camisa de empresa é coisa de quem não tem mais o que fazer!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Vamos, comente!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Na Secadora Não!

Meus Furacõezinhos!

Ovono