Igualdade


Ontem acordei antes das seis. Um frio absurdo. Noite lá fora ainda. Eu mortinha de sono. Liguei o notebook para ver as notícias e assuntar sobre o clima. Me deparei com uma manchete que me fez sorrir e ficar animada naquele momento de preguiça absoluta. Em grande destaque na página da UOL estava a notícia sobre a aprovação do casamento gay na Argentina. Agora lá os gays poderão se casar e ter os mesmos direitos dos casais héteros. E a forma que a lei foi mudada inspira de fato a igualdade entre os cidadãos sem a distinção de orientação sexual. Nada de criar uma lei específica que permitisse o casamento entre os homossexuais. Não, lá foram direto ao ponto da igualdade de direitos. Alteraram apenas duas palavras na lei que já existia. Suprimiram os termos marido e mulher e colocaram o termo contraentes. Assim a lei rege os direitos de duas pessoas que se casam , independente do sexo. Eu gostei da maneira que isso foi redigido. Me dá arrepios quando leio ou escuto por aqui o termo relação homoafetiva. Por acaso alguém  quando fala de um casal formado por um homem e uma mulher que eles tem uma relação héteroafetiva??? Não há que ter distinção alguma. Se todos são iguais perante a lei, todos têm que ter os mesmos direitos e ponto. Isso na Argentina está virando realidade. Aqui ainda não. Espero sinceramente que um dia as pessoas de mesmo sexo que se amam possam optar pelo casamento civil. Ou que aquelas que apenas desejam manter o relacionamento sem a formalização perante a lei possam gozar dos mesmo direitos que um casal heterossexual tem quando mantém um relacionamento estável. Eles não querem nada demais, apenas pode ter uma vida normal ao lado de quem gostam. Ter uma vida cotidiana sem sobressaltos burocráticos. É pedir muito?  Para os que são contra parece que sim. Eu realmente não entendo as pessoas que protestaram lá contra esta lei. Posso entender uma pessoa não aceitar ou mesmo achar errado. Pontos de vistas e convicções diferentes existem. O que não pode existir é um grupo de pessoas que tenta impor o seu modo de vida para todos da sociedade. Os que protestam esquecem que a lei rege o casamento civil. Os direitos civis. Nada tem a ver com preceitos ou convicções religiosas. A lei não vai obrigar as religiões a realizarem cerimônias de casamento entre as pessoas de mesmo sexo. Cada religião que siga os seus preceitos, mas que respeite os outros que não os seguem e deixe que estes outros vivam sua vida. Claro que sei que os protestos lá vão continuar, o mesmo aconteceria aqui caso uma lei dessa vingasse, mas eu espero que os governantes de lá fiquem firmes em sua decisão e que nada mude esta conquista tão importante para os gays daquele país.


Alguns podem ler e perguntar porque eu fiquei feliz com uma notícia que diretamente não me atinge. Fico feliz pois acho que os gays têm que ter os mesmos direitos que todos os outros cidadãos. Eles têm as mesmas obrigações civis que todos os outros mas aqui ainda não são reconhecidos como cidadãos plenos. Sofrem discriminação clara na lei.  Nossa constituição diz que todos são iguais perante a lei. Mas de fato sabemos que não é assim. Que esta mudança na legislação Argentina influencie os políticos daqui e que algo seja feito para que aqui todos se tornem iguais também perante a lei. E além do aspecto legal, eu acredito que um amor entre gays é tão amor como um amor entre um casal hétero.  Amor é amor, não importa o sexo.  Sempre pensei assim, e nos últimos anos esta conviccção só aumentou, pois criei laços fortes com pessoas que são gays. Pessoas que viraram meus amigos especiais. Quero ver meus amigos com a vida  menos complicada. Quero ver meus amigos mais tranquilos para vivenciar seus relacionamentos sem ter medo de imprevistos e ficarem desamparados pela lei. Quero ver meus amigos cada vez mais felizes e sei que quando a lei por aqui mudar eles ficarão felizes da vida. E eu também. :)
 


Comentários

  1. o impedimento ao casamento de pessoas do mesmo sexo me lembra do impedimento de padres casarem. parece muito mais um interesse financeiro dos herdeiros de não perder seus bens materiais do que uma preocupação moral. tenho me irritado com o discurso ligado a adoção e ter filhos em relações homossexuais. que uma criança precisa dos dois referenciais. como se nas relações hétero não fosse enorme a quantidade de mães criando sozinhas seus filhos pq os pais abandonam, somem no mundo, mudam de país e a criança é criada por um só. essa hipocrisia me cansa. e como se a criação por uma pessoa só que fizesse alguém homossexual. outra cegueira q me cansa. a lei não obriga as igrejas a casar alguém uma segunda vez. conheço casais q estão juntos há mais de 30 anos, construíram uma história, não faz sentido um deles ficar desamparado. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
  2. Apoiada!
    A igualdade sempre esbarra em convicções religiosas e conceitos sociais individuais... e não deveria ser assim. Todo mundo tem direito de ser feliz e um casal gay não morde ninguém se estiver casado de papel passado. Como se proibir o casamento fosse uma maneira de coibir os casais gays de se formarem... enfim, esse assunto dá pano pra manga e os argumentos contra sempre são bastante absurdos e preconceituosos.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. O que importa é a felicidade.
    Heteros, homos, bi, todos nos buscamos isso

    ResponderExcluir
  4. Pedrita, esta tal lei que quer estabelecer a probição de adoção por casais gays é uma aberração. Eu fiquei chocada mesmo. Acho que não será aprovada.


    Rê,concordo com você os argumentos do time do contra sempre são muito absurdos e até bizarros. Mas o bom senso há de vencer, e os direitos civis serão iguais para TODOS!

    Gammelo, concordo com você!

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Marion, acompanho o seu blog a um tempo e adoro suas postagens .ó/
    Eu respeito a escolha sexual de cada um e fico muito feliz que pelo menos em algum lugar ja deram um passo a favor da igualdade.

    ResponderExcluir
  6. Oi Katniss! Bacana saber que você é uma leitora antiga. É muito bom que isso tenha acontecido na Argentina, por ser um país vizinho ao nosso pode influenciar a criação de uma lei similar aqui.

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Olá, Marion!

    Sou o Gustavo e acabo de descobrir seu blog por meio dessa postagem.

    Eu e meu namorado mantemos um blog voltado à comunidade LGBT: www.osdeltas.com.br

    Concordo com todos os argumentos expostos no post. Na verdade, gostei tanto, que tomei a liberdade de copiá-lo para o nosso blog, indicando a fonte, claro.

    Parabéns por sua clareza de idéias.

    A lei ainda não mudou por aqui, mas enquanto gay, já fico feliz da vida por saber que, como você, tantas outras pessoas entendem que não é preciso ser homossexual para defender os direitos civis dos homossexuais, basta ter bom senso.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  8. Gustavo,

    Fico feliz que tenha gostado. Espero que os leitores do seu blog também gostem.

    Espero que mais pessoas consigam entender que o que se pede é apenas que a lei trate todos como iguais. É luta grande, mas com o tempo acho que mais pessoas vão entender isso.

    Abraços

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Vamos, comente!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Na Secadora Não!

Meus Furacõezinhos!

Ovono