Pular para o conteúdo principal

#Wally40Anos



Este mês foi cheio de pequenas comemorações. Wally completou 40 anos no dia 13 e decidiu que faria várias celebrações. No dia do aniversário fizemos duas. A primeira na hora do almoço, levei o Wally para almoçar no Taco Bell lá da Paulista. Ele foi me buscar na firma e paguei uns taquitos para ele. A noite foi a vez de brindarmos o niver no Buxixo Carioca, boteco aqui pertinho de casa.  Foi bem animado, mesmo sendo uma segundona! 

Na quinta fomos comer espetinho depois do ensaio do QEQS, Gui foi conosco. Espetinhos, cerveja e bom papo!

Aproveitamos o dia de Saint Patrick para continuar festejando. Fomos tomar chope verde lá no Black Crow, que estava lotado! Foi uma noite bem animada, bebi bastante chope verde e comi umas quesadillas deliciosas! 

Até o momento, a última etapa das celebrações foi no Outback. Fomos lá experimentar as delícias do festival de costelinha.  Pedimos o hambúrguer e a quesadilla. Divinos! Principalmente o hambúrguer, que espero que fique no cardápio.

Gostei muito desta idéia dele de comemorar várias vezes, afinal a idade dura o ano todo, né?  Uma festa só é pouco! 

Acho que ainda deve rolar mais algum brinde. Esperemos.  :) 


Comentários

  1. Bacana! Parabéns ao Wally! Eu gosto de comemorar várias vezes tb. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
  2. Acho uma ótima ideia comemorar bastante! É meio frustrante fazer uma comemoração e de repente puf, acabou! Desse jeito a alegria do aniversário dura mais tempo!! :) Beijos e parabéns ao Wally!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Vamos, comente!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Na Secadora Não!

Quando eu comprei a minha máquina de lavar  com secadora embutida, achei que não teria mais que colocar nadinha no varal para secar. Que seria apenas colocar na máquina e depois só levar para o cesto de passar roupa, pulando por completo a chatíssima etapa de tirar as roupas da máquina e pendurar no varal.  Na maior parte do tempo é isso que acontece, economizando muito tempo e paciência. Mas infelizmente tem muita roupa que não posso deixar para secar na máquina. 
Depois que comecei a usar a secadora, me dei conta da quantidade de roupas vendidas por aqui que apresentam o símbolo de proibido secar em tambor na etiqueta.  Não pensem que falo de roupas mais delicadas, como roupas para festas. Roupas do dia a dia, como simples camisetas, vêm com este  frustrante símbolo estampado em suas etiquetas. É um absurdo nos dias de hoje ainda se fabricam roupas que não aguentam uma secagem de máquina. Com certeza há tecnologia para fazer tecidos que aguentam o tranco, mas por alguma razão, as rou…

Papel e caneta

Eu nunca tive uma letra muito bonita. Na época de criança a minha letra era feia e grande. Nunca conseguia ir bem nas aulas de caligrafia, não conseguia escrever dentro dos limites daquelas linhas diminutas. Na época do colegial minha letra melhorou, deixei a letra cursiva de lado e passei a escrever com letra de forma.O meu jeito de escrever é inspirado na letra do meu pai, que escrevia em letra de forma e tinha uma letra linda. A minha letra nem chega perto do jeito lindo que ele escrevia, mas é bem legível. Mas ultimamente venho notando que a minha letra está piorando. Tenha escrito do modo convencional, usando papel e caneta, cada vez menos. Praticamente tudo que escrevo hoje em dia é escrito diretamente no computador ou no celular. Com certeza a falta de prática está fazendo a minha letra piorar e isso me faz pensar que pode chegar o dia em que eu esqueça como escrever. Será que é um temor exagerado? Não sei se realmente pode chegar a isso, mas é fato que cada dia a escrita conve…

Ovono

O nome da bola da foto é Ovono, e na verdade não é uma bola e sim um cérebro artificial. Um ser capaz de assimilar todo o conhecimento do mundo e interagir com as pessoas de forma quase humana. Mesmo sendo muito inteligente, ele não consegue assimilar idéias abstratas como sentimentos, não entender o amor ou a fé.  Este diferente ser é o ponto de partida do espetáculo 'Ovono' que está em cartaz no teatro do Centro Cultural Banco do Brasil em São Paulo. A peça é um história de ficção científica, o que garante o charme inicial do espetáculo, pois é bem estranho pensar um espetáculo teatral com esta temática. Eu nunca tinha ouvido falar de algo assim. Fiquei muito curiosa e Wally mais ainda, afinal, ele ama filmes ficção científica. 
Segunda à noite fomos assistir ao espetáculo e gostamos muito. Além de realmente ser um peça diferente de tudo que eu já havia visto, lida com temas bem complexos. Levanta questionamentos sobre nosso mundo, de como a tecnologia afeta a nossa humanidad…