Choque de realidade


Nunca entendi muito bem estas histórias de casamentos que terminam prematuramente, logo nos primeiros meses de união. Sempre me soou estranho um casal que namorou anos se separar em tão pouco tempo depois que vão morar sob o mesmo teto. Os anos de convivência parecem que de nada adiantam nestes casos, o que acaba sendo uma contradição e tanto. Difícil de entender mesmo. Lendo uma reportagem da revista Marie Claire deste mês, finalmente, consegui compreender o que se passa em situações assim. A reportagem relata de um mal que eu nunca tinha ouvido falar, o post wedding blues, que podemos traduzir como depressão pós-casamento. Segundo a reportagem a tal depressão acomete noivas que tiveram cerimônias de casamento grandiosas, que ficaram meses e meses se preparando para o grande dia. Quando tudo passa, a festa e a lua de mel, a noiva fica se sentindo vazia, com saudades dos preparativos do casório que tanto ocuparam a sua vida e isso vai prejudicando a vida do casal. Acho que quando a festa de casamento é tão grandiosa, destas de filme, a noiva deve ter a sensação que sua vida de casada vai ser algo de outro mundo, que tudo vai ser lindo e maravilhoso, como num filme romântico. O rito de passagem da vida de solteira para a vida de casada acaba sendo muito marcante, dando a sensação realmente de início de uma vida inteiramente nova e cheia de alegrias. Mas quando volta da lua de mel a noiva se depara com a rotina e vê que a vida na verdade não mudou tanto assim, que a vida dela continuará uma vida normal, apenas com a diferença que agora tem um marido ao lado e, em muitos casos, uma casa nova também. Ela percebe que o marido não é o príncipe encantando, que é um homem normal e vai descobrir o lado menos bonito do seu amado durante a convivência diária. Acho que este choque de realidade deve causar um impacto e tanto em uma mulher que viveu uma noite de contos de fadas durante os festejos do casório. O começo de um casamento é bem complicado, pois são duas pessoas aprendendo a conviver juntas, aprendendo a lidar com as diferenças e as manias do outro. Se há uma ilusão muito grande deve mesmo gerar uma frustração de igual proporção na noiva e assim tudo deve parecer pior do que é e ela pode desistir do casamento. Triste a situação. O pior é notar que isso está virando comum, tanto que até nome padrão para este tipo de situação já existe. O grande problema mesmo é criar expectativas fantasiosas demais em torno do casamento, aí nada resiste quando a realidade mostra sua face mais dura. Eu já aprendi que a realidade nem sempre sai do jeito que a gente sonha, que a vida pode surpreender de maneira negativa. Mas aprendi também que é possível ser feliz na vida real, basta conseguir lidar com os problemas e saber aproveitar bem os momentos bons. E o mais importante, não se pode desistir logo nos primeiros contra-tempos. Espero que as noivas consigam cada vez mais a superar a fase complicada do comecinho de casamento e assim possam viver uma bela história ao lado do homem que ama.


Comentários

  1. não sei se concordo amiga, mas na verdade acho q tb é mesmo algo com a realidade. namoram, mas quem pagam as contas são os pais, quem dá mesada é o pai. e com o casamento vem as responsabildades, aí quem sonhou com um conto de fada pode não gostar. tb acho q alguns não se conhecem realmente. só mesmo qd moramos juntos q nos conhecemos realmente. e ver as manias, nem sempre conseguem lidar. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
  2. Acredito que são vários fatores que acabam com um casamento logo no início. O que vc explicou faz total sentido, afinal é uma agitação de um ano inteiro que acaba de um dia pro outro, mas o que a Pedrita comentou tbm é muito real. Tem gente que casa sem maturidade suficiente pra lidar com a vida a dois, porque não é só uma lua de mel, envolve muita administração também e essa parte é bem chatinha. E uma coisa que vejo muito (e até hoje não entendi) são os casais que estão há anos juntos, se amam, estão sempre grudados, e depois começam a "descobrir" coisas do outro que nunca viram, mesmo que estivesse tão na cara (isso aconteceu com alguém bem próximo de mim, esses dias) e aí o encanto acaba. Sei lá, pra mim o namoro é o tempo pra se conhecer, não que não existam surpresas depois, mas tem gente que não aproveita esse tempo pra pensar sério sobre a pessoa amada e um possível casamento, e por isso acaba não dando certo depois...
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Pedrita, concordo com você, o fato de lidar com as responsabilidades de uma casa é algo que é bem complicado para quem nunca morou só.

    Rê, também acho estranho isso que você comentou. Quando as pessoas não enxergam defeitos dos outros durante o namoro e quando casam falam que o outro mudou e que não o querem mais. Tem muita fantasia mesmo, de relevar os defeitos no namoro e achar que vai mudar a pessoa depois de casada.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Sou a favor de teoria de Dona Anna! sem test drive no way!!!! acho que nada e ninguem é perfeito e tb vc temq ter noção dos proprios defeitos, consciencia para assim tb conseguir entender os da pessoa que vc quer ao seu lado, pq dificilmente haverá uma mudança. entao saiba o que vc ta levando antes de levar por impulso ou pressão da sociedade! Consumo consciente :P

    ResponderExcluir
  5. Bem, eu fiz um test drive de cinco anos e dois filhos depois, oficializei no civil, as pessoas tem mania de achar que casamento, é aquele momento da troca de alianças e quando se deparam com a realidade,encontram a rotina e quem não está preparado pra ela, realmente não aguenta o dia-a-dia à dois. Já fazem sete anos que me sinto casada e ainda tem dias que são difíceis, assim como há todos os outros cheios de felicidade e amor.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Sugar, eu também acho que o test drive é muito importante, tanto que fiz o meu antes do sim. E concordo, ninguém muda ninguém se você não consegue conviver com alguma característica do ser amado é melhor mudar de amor ou aprender a conviver com isso.

    Sheila, a rotina é o grande desafio. Tem dias que é complicado mesmo, mas os dias felizes compensam ( desde que os felizes sejam bem mais frequentes que os complicados, pq senão não vale a pena! )

    Beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Vamos, comente!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Na Secadora Não!

Meus Furacõezinhos!

Ovono