Uma Menina Quieta



As meninas mais quietas são tidas como santas. As pessoas acham que elas são incapazes de  fazer coisas erradas , pensar em sacanagem ou mesmo dizer um palavrão. As meninas quietas acabam sendo alvo de espanto quando agem como pessoas normais e não como santas.  Espanto que não deveria existir, afinal, uma menina quieta é uma pessoal normal. Apenas mais na sua que o resto das meninas. Fica na sua por não se sentir à vontade de ser mais expansiva ou de não querer expor sua intimidade. Corre ainda o risco de ser taxada de metida. Santa e ainda por cima, metida! Que sina! Só por ser o que é, acaba sendo vista como alguém diferente das outras meninas e uma pessoa que não quer se misturar com os outros. O melhor jeito é continuar sendo que se é e abstrair os comentários inconvenientes vindo de pessoas que parecem querer caçar algum pecado da moça quietinha, apenas pelo prazer para espalhar para todos que aquela ali é mais uma santinha do pau oco.  Claro  que  as que se fazem de santa existem e estas tem  mesmo que  perder a máscara algum dia. Agora, as meninas quietas, têm o direito de serem o que são sem que se sintam vigiadas. Cada passo fora do padrão santinha de ser,  gera uma crítica ácida.  Sem sutilezas. Quase uma violência. Eu tenho a sorte de não ser uma pessoa famosa. Porque se fosse, viveria às voltas com as alfinetadas da imprensa, pois sempre fui uma menina quietinha. Cresci e continuo sendo tímida e reservada. É o meu jeito. Sou assim e ponto. Mas o meu jeito não determina a minha maneira de pensar. Mas as pessoas tendem a etiquetar os outros e com isso já estipulam o que a pessoa que possua uma certa etiqueta pode ou não pode fazer.  Basta sair do trilho, pronto. Chovem críticas ou interjeções de espanto.  As pessoas têm que aprender que somos seres complexos, que podemos ter várias facetas. Achar que alguém tem que ficar fiel ao seu 'personagem'  é muito limitador para o tanto de possibilidades que a vida têm para ser vivenciadas.  Se cada um cuidasse mais da sua vida, definitivamente, o mundo seria mais leve e descomplicado. 




Nota da blogueira: Sim, este post foi inspirado por todo o bafafá que estão fazendo por causa da declaração que Sandy deu para a Playboy. Quanto comentário ácido que eu li por aí! Fiquei incomodada. Ela não merece tanta raiva e ironia. Ainda mais por uma frase solta que, até o momento, ninguém sabe o contexto em que foi dita. Enfim, a menina está sendo atacada por ter saído do roteiro de garota santinha. 


Nota da blogueira 2: Eu estava matutando este post há dias. Justo no dia que eu resolvo escrevê-lo, a Déia me compara com a Sandy. Sincronia de pensamento! E ela fala isso sempre numa boa, sem querer me criticar. Ela sabe como eu sou. Aliás, na nossa turma de amigos, todo mundo respeita o meu jeito. Ninguém fica enchendo o saco porque não entro nos papos de sexo, por exemplo. Eu fico só acompanhando, sem falar nada. Não me sinto à vontade de falar sobre isso e eles entendem e não me  perturbam. E olha que lá todo mundo é da pá virada! É, eu sou a quietinha da turma e adoro esta turma que me aceita como eu sou. :)



 

Comentários

  1. É a eterna mania das pessoas quererem cuidar da vida dos outros. Seria tão bom se cada um se preocupasse só com si mesmo! E vc esqueceu de um dos rótulos das quietinhas: brava. Até hoje as pessoas falam "nossa, quando te conheci achei que vc era brava", porque eu também sou pouco expansiva. E vivo muito bem assim!
    Quanto à Sandy, eu acho que ela já se enrolou de tal jeito com a imprensa que o único jeito de escapar é fechando a boca de vez. Tenho pena, porque deve ser péssimo viver com tanta gente falando mal na orelha, sem saber como podem interpretar as coisas que você fala. Mas confesso que meu lado negro se diverte com ela, com todo o respeito à pessoa, é claro :)
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. é moderno hj ser deselegante e dizer algo picante. há atualmente na tv aberta dois programas sobre sexo e os dois estimulam aquilo q nos arrependemos de dizer depois. é essa mídia q busca o sensacionalismo e não a notícia. com isso acabam expondo as pessoas. parece q ser mais quieto é pecado na nossa sociedade. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
  3. Rê, de brava ninguém nunca me chamou assim logo de cara. Só depois de levar alguma resposta torta é que diziam: nossa como você é brava! Olha, eu acho que não serviria para ser famosa. Eu ia virar a antipática da mídia, ia mandar todo mundo pra pqp! rs

    Pedrita, você tem razão o modernos é ser deselegante. o Recato saiu de moda. Uma pena. O mundo


    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Concordo com a Pedrita, certas coisas deveriam ser preservadas.

    Bjo

    ResponderExcluir
  5. a Sandy é uma menina triste, criou um personagem, ficou rica com ele e agora não sabe como matá-lo , povre menina rica

    ResponderExcluir
  6. Gammelo, também acho!

    Ediney, acho que ela ficou prisioneira do esteriótipo que as pessoas fazem de pessoas mais quietas. Pensam que ela é santa só por não ser uma mulher mais extrovertida.

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Patry, não sei se pq somos amigas há vários anos, mas acho que você não seja tão tímida talvez. Sempre te vejo defendendo seus pontos de vista, enfim, se comunicando sem tentar se esconder. Há tb situações nas quais nos sentimos mais à vontade e outras nem tanto... É subjetivo. Eu, por exemplo, sou tida pelos amigos como extrovertida, mas em determinadas situações, nas quais não me sinto à vontade, fico na minha e ninguém entende.
    Bjs,

    ResponderExcluir
  8. Mari, sou tímida com gente que não conheço ou que conheço pouco. Demoro para me sentir a vontade. Acho que a gente muda um pouco de acordo com a situação . né? Ah , eu te acho muito desembaraçada! :)

    Beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Vamos, comente!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Na Secadora Não!

Ovono

Papel e caneta