Cansei da Maysa


A única lembrança que tenho da cantora Maysa data do ano de 1976, eu tinha 5 anos e adorava a novela Estúpido Cúpido, que era exibida no horário das 6 da tarde. Por ser tão fã da novela eu ganhei os LPs com as trilhas nacional e internacional da novela (e os tenho até hoje!). E no disco nacional há a música " Meu Mundo Caiu" da Maysa. Eu lembro bem que eu sempre pulava esta faixa, e sempre que eu demorava para mudar a agulha de lugar e a música começava eu ficava me perguntando como alguém podia fazer uma música tããão triste. Eu não sabia quem ela era, não sabia que a música tinha sido um grande sucesso anos atrás, eu apenas ficava assustada com tanta tristeza numa música só. Quando anunciaram a minissérie sobre a vida da cantora eu fiquei bem curiosa, era a chance de eu conhecer um pouco sobre a cantora que me assustava com sua voz grave e triste. Esperei ansiosamente pela estréia da minissérie, mas o meu entusiasmo acabou no terceiro capítulo. Fiquei com a impressão que são sempre as mesmas cenas repetidas, com algumas variáveis, e que sempre mostram a Maysa brava, bebendo, fumando e demonstrando que não sabia carregar uma frustração ou mesmo um simples não. Vi ali uma pessoa mimada e egoísta e que o autor e diretor querem vender como uma mulher moderna e que estava a frente de seu tempo. Não consegui me afeiçoar à personagem principal, acabei mesmo é ficando com pena do marido dela que sofreu na mão da garota mimada e do filho que ela nem ligava. Será que ela era mesmo apenas uma menina mimada, com talento é verdade, mas que sempre foi uma criança inconseqüente? Ou esta impressão é culpa do roteiro do Manoel Carlos? Não sei, como nada sei sobre a Maysa real é impossível tirar conclusões. Eu cansei da Maysa, não vi o quarto capítulo e nem pretendo ver os que faltam. É uma pena uma produção tão bem feita, com uma reconstrução de época esplendorosa e atores fantásticos ser prejudicada pelo roteiro fraco e com tendências para o dramalhão. O recurso de contar a história fora da ordem cronológica não está bem aplicado nesta série, fica tudo confuso demais e a história acaba perdendo a força. Talvez se tudo fosse contado da forma tradicional eu tivesse me simpatizado com a Maysa, e assim eu conseguisse entender suas razões para ser tão impetuosa e não a acharia apenas uma menina mimada. Enfim, Maysa foi a grande promessa da tv neste início de ano e não conseguiu provar à que veio. Pena.

Comentários

  1. Não estou assistindo e nunca tinha ouvido falar dela antes, mas ouvindo conversas eu entendi que ela foi uma mulher que não valia muita coisa. Sinceramente não despertou minha curiosidade...
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Não gosto dessas minissérie, pra mim é muito chato ! rs
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. eu não quis ver tb. mas por outro motivo mencionado aqui. achei estranho o filho fazer a minissérie da mãe. mas aí eu que posso estar errada no meu julgamento. quanto a questões levantadas aqui, nem sempre um ídolo nosso é uma pessoa legal. acho que nós, eu principalmente, temos muita dificuldade de aceitar os erros dos nossos ídolos já que os amamos tanto. eu tb tenho o lp do estúpido cupido. o estilo musical da maysa meio que sumiu com a bossa nova. e nós não estamos acostumados a ele. acho que ela cantava maravilhosamente, mas mantinha esse estilo deprê. eu sempre fiquei muito triste de todos os vícios que ela tinha, não devia ser fácil ser mulher e cantora naquela época, mas isso não justifica a forma como ela agia. e particularmente não sei se o jayme monjardim e a globo conseguem ir mais a fundo de uma mulher tão complexa. eu achei que eles iam se complicar tentando mostrar alguém legal, mas no fundo ela cometeu muitos erros, um pouco além da conta. e é difícil contar a história dessa grande cantora tentando complicar o lado negativo dela. sei lá. acho meio difícil eles conseguirem isso com sucesso. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
  4. Rê, ela foi muito famosa na sua época, mas também muito encrenqueira. O problema é o enfoque da minissérie que quer nos passar a imagem de uma mulher revoolucionária. E isso ela não foi.


    Dany, fez bem de não perder seu tempo!


    Pedrita,eu acho estranho um filho dirigir uma minissérie sobre a história da mãe, ainda mais uma mãe tão problemática e que no fundo era uma estranha para o filho, pois ela mal se dava conta da sua existência. O que me incomoda é o fato de saber que tem muita coisa inventada na minissérie, que o autor criou cenas que ele acha que poderiam ter acontecido. Achei isso totalmente fora de propósito, me incomoda não saber se o que vejo foi verdade ou não. Eu acho que a minissérie tenta encontrar qualidades pessoais nela que não exisitiam. Sim, ela foi uma grande cantora, mas era uma mulher de gênio ruim, mimada e egoísta.

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. eu acho que se fizessem ela mais realista, talvez agradasse mais. inventar qualidades acho o fim. ou fazem uma minissérie fictícia sobre alguém que não existiu ou são fieis a história dela. e eles comemoram o ibope, mas acho que é muito mais pq é a última semana da favorita, então o povo vê e tb não há muito o que ver nas férias. eu concordo com vc, ela foi uma grande cantora, mas era uma pessoa pra lá de complicada. enfeitar o feio não acho legal.

    ResponderExcluir
  6. Eu gostei dos capítulos que consegui assistir, mas certamente não será um marco da TV brasileira. Já fizeram de estórias melhores.

    ResponderExcluir
  7. Pedrita, acho também que faltou um pouco de realismo.


    Miss Oak, olha Maysa não chega nem perto de HIlda Furacão e Os Maias, que foram séries excelentes! Ah, Gi, adorei sua visita em massa, comentários em vários posts! :)


    beijos

    ResponderExcluir
  8. eu tb fiquei com uma impressão parecida. mas achei q o marido tb queria uma mulher mais jovem como troféu.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Vamos, comente!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Na Secadora Não!

Meus Furacõezinhos!

Ovono