Somos assim


Eu sempre gostei de homens. Em geral dos rapazes com cabelo e olhos castanhos e pele clara. Claro que pintou uma o outra paixonite por rapazes fora deste padrão, mas nada que fizesse tremer o meu chão. E em todos os casos os rapazes eram mais novos do que eu. Não sei explicar a razão desta preferência pelos homens mais novos, sei apenas que sempre fui assim, que só me interessei por caras mais novos. Eu cheguei até ficar intrigada com isso por algum tempo, afinal aprendi que o homem deveria ser o mais velho em um casal. Mas isso nunca foi um problema para mim, nunca me senti anormal por gostar de gente mais nova do que eu. Eu acabei me conformando com a situação, me aceitando do jeito que eu sou. Provavelmente esta minha preferência já nasceu comigo, vim assim de fábrica, com as preferências já pré-determinadas: gostar de homens, que sejam morenos claros e mais novos do que eu . E tenho certeza que não há terapia ou tratamento que faça esta minha preferência mudar. É algo inerente ao meu ser, assim a única coisa que poderia acontecer é eu fingir ser o que eu não sou, caso esta minha preferência por homens mais novos me atormentasse a tal ponto de eu não conseguir me suportar. Mas ao mesmo tempo esta negação de mim mesma só iria me trazer mais problemas e com certeza eu me transformaria em um ser infeliz, pois estaria vivendo uma vida de mentiras, de sentimentos e relações falsas, construídas apenas para eu ser uma pessoa em conformidade com o padrão da sociedade.
Por isso tudo que eu vejo como uma aberração estas pessoas que alardeam que podem "curar" um homossexual, que podem fazer uma pessoa virar héterossexual. Um absurdo. Não se muda as preferências sexuais de alguém. Uma pessoa que sente tesão por loiros não vai passar a sentir tesão por ruivos e uma pessoa que gosta de homens não vai passar a gostar de mulheres por meio de tratamento algum. Isso não se muda. A gente é o que é. E o que importa é a gente se aceitar, gostar da gente como a gente é. Os outros que se danem. Se tem gente que se ofende por causa dos gays que nem chegue perto deles, é o direito que esta gente tem, de não conviver com eles, mas não podem querer impedir que eles vivam sua vida , que sejam felizes, que casem, que construam uma vida ao lado do seu amor. A preferência de cada um só interessa a cada indivíduo. Não sei como o amor pode ser ofensivo. É lindo ver um casal que se ama, seja ele formado por pessoas mesmo sexo, de raças diferentes, idades diferentes, de estilos diferentes. O que importa é as pessoas se gostarem, se entenderem e encontrar quem as façam felizes. Em um mundo onde tudo é tão complicado, o mínimo que a gente tem que conseguir é sermos nós mesmos, sermos fiéis à nossa essência. Só assim a gente consegue chegar perto da tal felicidade e ter forças para enfrentar as dificuldades da vida.




Nota da blogueira: A única terapia cabível numa situação dessas, é uma terapia para ajudar a pessoa se aceitar como ela é. Aprender a lidar com um mundo cheio de preconceitos e aprender que não há nada de errado em ser como ela é. A terapia é um instrumento para ajudar a pessoa ser feliz como ela é e não para transformá-la em outro ser.



Comentários

  1. Patry,

    Concordo contigo, cada um tem o direito de ser o que quiser e viver como quiser... Como diz o ditado: " os incomodados que se mudem"...

    Beijos...

    Tininha

    ResponderExcluir
  2. eu não me conformo com essa mania das pessoas quererem determinar o q o outro quer. acho que cada um pode decidir o que deseja e nós não temos nada com isso. nunca entendi a proibição a casamentos gays. já que é uma decisão de um casal e não do coletivo. não faz a mínima diferença pra uma maioria o que um casal faz entre quatro paredes. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
  3. Concordo com tudo!
    Não é possível ser feliz enquanto procurarmos a felicidade nos padrões que a sociedade impõe. E essa imposição é uma pena, já que não existe um ser igual ao outro, mas ainda temos que evoluir muito para que as pessoas passem a se aceitar sem preconceito.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. E com o passar do tempo as preferências até podem mudar ... Mas sempre com a nossa lógica, é claro !!!

    Bjs.
    Elvira

    ResponderExcluir
  5. Tininha, é isso que eu acho, se a pessoa não prejudica ninguém tem o direito de viver como lhe convém.


    Pedrita, eu também não entendo isso, ainda mais que os que são contra o casamento gay dizem que estão apenas protegendo a família, o casamento hétero!!! Como assim??? Puro nonsense mesmo!

    Rê, tentar ser o que não se é é certeza de infelicidade. Sera t[ao bom se as pessoas se preocupassem menos com a vida dos outros.

    Elvi, concordo com você. A gente muda e isso é ótimo. O que não pode haver é a imposição para esta mudança.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi Patrícia,
    concordo com tudo o que fora falado por todos.

    Infelizmente, para a ordem dos "bons costumes", é mais "bacana" ter uma "família Doriana" e com a família em porta retratos, do que se buscar na própria essência, o famoso "self".

    Bjos,
    Isabela Guedes.

    ResponderExcluir
  7. Isabela, infelizmente é isso mesmo.

    Beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Vamos, comente!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Na Secadora Não!

Ovono

Papel e caneta