Evita



Estava ansiosa para ver o espetáculo "Evita". Desde que anunciaram a montagem do musical aqui em São Paulo, eu estava em contagem regressiva.  Só comprei  o ingresso para praticamente um mês após a estréia por causa da incerteza da viagem do Wally. Ele estava em um viaja-não-viaja interminável, que resolvi comprar ingresso para um data bem distante,  para garantir que ele estaria aqui para ir comigo. E deu certo. Ontem fomos ao teatro Alfa assistir à peça. 
Eu sempre fui fã da Evita, desde criança me afeiçoei à ela. Sempre chegaram a mim histórias que ela havia sido uma mulher muito boa e linda. Assim criei uma admiração por ela que carrego até hoje. Sempre tive curiosidade para ver esta montagem e  a música "Não Chores Por Mim Argentina" sempre me emocionou e admito que fui ao espetáculo esperando especificamente por este momento.  Confesso que tinha receio de curtir só esta parte do espetáculo e achar o resto chato. Mas gostei muito de tudo. O espetáculo é envolvente. 



O espetáculo conta a história de Evita desde que era uma moça pobre do interior e sua ascensão, até virar a primeira-dama da Argentina. Na foto umas das cenas da primeira parte do espetáculo, quando ela ainda não conhecia o Perón e estava chegando em Buenos Aires.  É uma das poucas cenas quem há de fato um cenário.  Na maior parte do espetáculo tudo é branco. Nas paredes brancas do palco são projetadas imagens reais da Evita, sempre de acordo com a época representada no palco.  Gostei muito deste recurso, foi impactante e me emocionou. São imagens que retratam todas as etapas de sua vida. 



O elenco é bem grande, em muitas cenas estão todos no palco.  A história é narrada por Che Guevara (Fred Silveira), que não se contenta em apenas narrar a vida de Evita, ele faz comentários críticos e muitas vezes irônicos, sempre questionando a bondade de Evita. O que poderia fazer o personagem ficar antipático aos olhos do público, é um dos grandes trunfos do espetáculo. Che Guevara é carismático, canta ótimas canções e dá um toque de humor em um história melancólica, afinal  a mocinha  morre cedo. Gostei muito mesmo do Che Guevara, Fred Silveira está de parabéns pela performance vigorosa!  Evita é interpretada lindamente por Paula Capovilla. Adorei a voz da atriz. A achei perfeita no papel. Juan Perón é interpretado por Daniel Boaventura.  Já é a terceira vez que vejo o Daniel no palco, ele é um ótimo ator e cantor, e desta vez me deparei com uma interpretação mais contida. E faz sentido, afinal, ele interpreta um general, não dá para fazer uma interpretação mais solta como o Che Guevara. Perón é marcado pela sisudez praticamente o espetáculo todo. O que difere completamente dos outros papéis intepretados pelo Daniel Boaventura em outros musicais. 
O musical é claramente uma homenagem à Eva Perón, mas não se furta de fazer críticas ao modelo político que ela estava vinculada e também questiona se ela realmente foi tudo o que dizem. Mas o que fica no final de tudo é a imagem que sempre tive dela, uma mulher boa, que não era santa,  que realmente ajudou seu povo como pode e que , sem dúvida, foi uma mulher muito forte, que conseguiu impor respeito em uma época em que as mulheres praticamente não tinham voz.  





Nota da blogueira: O espetáculo é 100% musical. Não há diálogos. Tudo é cantado. Nas performances solo dos atores eu consegui entender tudo. Mas em algumas canções onde o elenco todo cantava ficava difícil a compreensão da letra. Talvez a entonação das canções em estilo de ópera tenha provocado este problema de compreensão. Ou talvez tenha sido problema de tradução mesmo. 

Nota da blogueira 2: Eu assisti ao espetáculo no balcão central. Um ótimo lugar e garante uma visão ampla do espetáculo e também da orquestra. Gostei de poder observar os músicos durante o espetáculo. Wally adorou poder ver a performance do baterista da orquestra. 


 

Comentários

  1. OI Marion
    Evita em esse estilo meio ópera também, como Os Miseraveis, mas confesso não ser o meu musical favorito, tenho ainda um receio pelo filme. Infelizmente não verei, adoro o Daniel, ele é fantastico e eu via Paula no começo do ano qunado fui assistir Mamma Mia.
    Que bom que gostou.
    Bjo

    ResponderExcluir
  2. deve ser uma bela produção. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
  3. Gammelo, eu tenho implicância com óperas. Não gosto mesmo. Mas em Evita é bem leve a influência operística, mas se fosse mais forte eu não ia gostar.

    Pedrita, vc iria adorar.

    Andressa, obrigada pela visita!

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. eu também gostei muito de Evita!!!

    ResponderExcluir
  5. Ahhh e o Daniel Boaventura me pareceu desconfortável em palco. Parece que o mesmo aconteceu na noite em que vc foi assistir...

    ResponderExcluir
  6. Delaidinha, então, eu lembro que vc comentou sobre o Daniel e aí fiquei prestando atenção nele. E realmente achei que é do papel mesmo. Pq é contraste ENORME entre ele e o Che Guevara. Mas é pelo personagem mesmo... afinal na peça é muito cativante, coisa que com o Perón não acontece.

    Beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Vamos, comente!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Na Secadora Não!

Ovono

Papel e caneta