Ciclovias Inseguras

Av. Rouxinol



Há poucas semanas comecei a andar de bike nas ruas do bairro. Wally sempre me acompanha e me dá dicas de como pedalar sem me arriscar e sem prejudicar o trânsito. O destino é sempre o mesmo: O Parque do Ibirapuera!  Já estava me acostumando com o caminho de casa até lá, mas agora que estou no apê reserva, do outro lado do bairro, tive que começar do zero. Novo caminho, novas dificuldades. 

Na teoria, o caminho saindo aqui do apê reserva para o para o parque deveria ser melhor e mais seguro, pois uso as  duas ciclovias que têm aqui no bairro, na Av. Rouxinol e na Av. Pavão. Na prática, me deparei com ciclovias em um estado péssimo de conservação, que faz com o ciclista pedale em clima de inseguraça.  Há muitos buracos em todo percurso e, em vários pontos, a inclinação na ciclovia é muito acentuada.  Difícil de pedalar por ali. Morri de medo na primeira vez que andei de bicicleta nestas ciclovias, medo de cair nos buracos! Praticamente se anda em zig-zag, impossível andar em linha reta tamanha a quantidade de buracos e elevações na pista.  A foto que ilustra este post é de 2011 e mostra um trecho da ciclovia da Rouxinol. Hoje está bem pior.  

A minha crítica à Prefeitura da cidade  não é pela iniciativa de implantar as ciclovias pela cidade, o problema é fazer isso de improviso. Vemos por toda cidade muitas ciclovias em lugares inadequados, atrapalhando o trânsito e os pedestres. As ciclovias têm que ser integradas ao trânsito e não ser algo prejudique. É necessário também criar uma rotina de manutenção das ciclovias. O que adianta alardear que estão sendo implantados centenas de quilômetros de ciclovias, se estas colocam em risco a segurança do ciclista?  Tem que fazer direito, não mirando apenas na quantidade.  Falta ainda  um programa para educar motoristas, ciclistas e pedestres de como se comportar em áreas onde há as ciclofaixas, para que a integração seja bem feita e não coloque em risco a segurança de ninguém. 

Em San Francisco as bicicletas estão bem integradas ao trânsito, as bike lanes estão por todo lado e motoristas e ciclistas se respeitam, fazendo o uso de bicicletas uma alternativa segura de transporte.  Lá eu pedalei em avenidonas e numa estrada! E me senti segura, pois senti que os motoristas me respeitavam, ninguém tentou me me pressionar no trânsito, como já aconteceu algumas vezes por aqui. Alguns motoristas forçam a passagem, intimidam mesmo o ciclista. Dá medo. Todas vezes que isso aconteceu, eu parei e deixei o motorista intimidador seguir o caminho dele bem longe de mim. Por isso, seu prefeito, entenda que não adianta só pintar as ruas de vermelho, é preciso educar os motoristas, é preciso fazer que os motoristas respeitem os ciclistas e é preciso educar os ciclistas para que andem com segurança e para que respeitem as leis de trânsito.  Será que um dia verei aqui em São Paulo a harmonia entre bikes e carros que eu vi lá em San Francisco? 



Comentários

  1. são como os corredores de ônibus. aqui existe o corredor, mas os carros podem parar, então os ônibus não usam o corredor, mas a metragem consta como se existisse. e sem uma campanha, não só para proteger ciclistas, campanha de educação no trânsito de respeito a todos, não se vai muito em frente. eu mesmo dirigindo costumo deixar os intimidadores passarem. não gosto de violência no trânsito. beijos, pedrita

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Vamos, comente!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Na Secadora Não!

Meus Furacõezinhos!

Ovono