Quem somos afinal?






É comum perguntar paras as crianças o que elas querem ser quando crescerem. Quando perguntavam para mim, eu falava que queria ser veterinária. Na minha visão simplista, gostar de animais bastava para eu me tornar uma veterinária.  O tempo foi me mostrando que é algo muito mais complexo, que só o amor por bichos não bastava. Eu teria que ter muito sangue frio para aguentar a barra do sofrimento dos bichos que eu teria que cuidar. Não tenho, sou muito mole. Assim, descartei a possibilidade, continuo amando os animais, mas sei que minha vocação é cuidar deles como 'mãe', não como veterinária. 

Hoje sou uma não-veterinária, que trabalha com atendimento a clientes. Carreira que também precisa de muito sangue frio, pois aguentar um cliente nervoso e sem razão, é uma das missões mais espinhosas que existe neste mundo.   Encontrei o meu lugar no mundo, encontrei a minha vocação, numa carreira que nunca sonhei. Mas só a minha profissão basta para me definir? 

A profissão não define ninguém, mas é o que se usa para etiquetar as pessoas. A grande preocupação dos pais é o que o jovem vai escolher de profissão, o que ele vai estudar. Até a gente acha que isso é o mais importante. Eu sempre achei. Mas a vida é muito mais do que uma profissão.   Descobrir nossa essência é uma das tarefas mais complicadas. Talvez descobrir não seja a maior dificuldade, arrisco dizer que  o mais difícil é saber o que fazer com a nossa essência em um mundo de comportamentos tão esteriotipados. Muitas vezes o que somos não encaixa com as regras da sociedade, não se encaixa com que a família espera da gente. E aí o que fazer?   O mais fácil é seguir o fluxo, a grande maioria faz isso.  Eu também  faço.  Não sou tão corajosa como gostaria de ser, assim muitas vezes me deixo levar. Bem naquele ritmo de deixa a vida me levar... 

É meio deprimente chegar à conclusão de que muitas vezes não encaixamos nas categorias de pessoas e/ou comportamentos existentes, que não há uma categoria pra gente se encaixar. Acho que talvez sejamos nós mesmos somente dentro da nossa mente, lugar onde podemos ser sinceros com o que sentimos, onde estamos a salvo de quaisquer julgamentos.  
Julgar sempre é fácil.  Só a gente saber o quão é difícil ser nós mesmos, lidar com nossos medos, com nossos anseios. Uma coisa que tento fazer é evitar julgar os outros  sem pensar nas circustâncias.  Tentar entender a razão do comportamento do outro.  Nem sempre consigo,  pois é muito mais fácil colocar a etiqueta de errado no outro do que tentar entendê-lo.  

Cada vez mais penso que o maior ato de coragem que podemos ter nesta vida é sermos nós mesmos. Temos que sempre lutar para não perdemos nossa essência, não  podemos deixar que a vida nos transforme em robozinhos que apenas seguem o fluxo. O caminho mais fácil , definitivamente, não é sempre o certo. 


Comentários

  1. eu falava que queria ser escritora. eu pensei em veterinária mais tarde pq tenho muito jeito com animais. mas penso como vc. eu não conseguiria separar e sofreria com cada animal. eu tb encontrei uma carreira em um segmento que nunca pensei, atuando em um que sempre imaginei. nunca me esqueço q qd comecei a cuidar de gatos para aumentar o faturamento uma pós graduada, horrizada, disse: - mas vc estudou tanto pra isso? incrível como julgam profissões. outra pessoa era açougueiro. com esse trabalho comprou um terreno e construiu duas casas simples. a namorada fez o q fez para denegrir o trabalho dele, ele foi fazer faculdade, não conseguiu pagar com o trabalho q não era mais açougueiro, e hj não tem nada definido. tb conheço uma pessoa q ganha muito com matérias sobre gastronomia e sofria preconceito de pessoas que diziam: - aquele que fala de comida? conheço pais, mais de um, que proibiram o filho de ser músico e só atrapalharam o futuro deles.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pedrita, a vida é um julgamento sem fim. Nos julgam por tudo, por qualquer escolha. É muito difícil ficar indiferente a tantos jugalmentos.

      Beijos

      Excluir
    2. é verdd patry pq queremos sempre pertencer e qd ficamos isolados, é difícil segurar as escolhas.

      Excluir
  2. Cada vez mais, somos valorizados e rotulados apenas pela profissão e pelos cursos. Alguns consideram inteligente somente quem faz mestrado e doutorado.

    Quando era criança eu queria ser professora, fiz magistério, trabalhei em pré-escola e hoje em dia detesto dar aula, não penso em voltar a ter alunos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bruxa!

      Verdade! A profissão e os diplomas parecem mais importante que a pessoa em si. Triste isso. Beijos

      Excluir
  3. Eu acho que a existência de "categorias" pra tudo faz com que a gente se perca de nós mesmos até dentro das nossas mentes. Eu sinto que nunca me achei como pessoa, por não ter me encontrado numa profissão. E isso é péssimo porque sei que a exigência é da sociedade, e não minha, e aí acabei assimilando essa necessidade de "ser alguém". Acho que em alguns círculos já está mais fácil bancar nossas escolhas, mas a maioria ainda é bem conservadora e não aceita muito bem aqueles que não seguem o ritmo.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Re, para mim você é uma fotógrafa! Sempre foi! Acho que vc já se encontrou sim e não sabe! rs

      Mas é muito ruim mesmo esta patrulha profissional que vivemos. Aí ficamos nos sentindo deslocadas, quando na verdade não estamos! Pq temos que seguir os padrões né?

      Beijos

      Excluir

Postar um comentário

Vamos, comente!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Na Secadora Não!

Meus Furacõezinhos!

Ovono