Cozinhando





Nunca gostei de cozinhar, apesar do meu pai ter sido um cozinheiro de mão cheia e eu ter passado boa parte da minha vida vendo a Comadre, mãe da Tininha e minha mãe de chocadeira, cozinhando pratos maravilhosos.  Cozinhar sempre me amendrontou, sempre me trouxe muita insegurança. Não tenho realmente o dom de cozinhar, e isso faz que uma simples receita pareça uma tarefa impossível de realizar. Pois para mim ler uma receita é quase como ler uma equação bem cabeluda de matemática. Eu sou bem ignorante em termos culinários, então o óbvio para todos é um enigma para mim e , em geral, as receitas que se vê por aí são feitas para quem já tem uma boa noção de cozinha. Uma leiga como eu fica perdida e acaba fazendo tudo errado.  Quando eu leio algo como tempere com sal e pimenta, sem dizer quanto colocar, eu me apavoro. Simplesmente eu não tenho noção de quanto devo colocar. E por aí vai e com isso a minha aversão pela cozinha foi aumentando. Aí a vida me presenteou com um marido que cozinha, pronto, resolvi esquecer que existia a cozinha em casa. Não era meu território e ponto. 

Mas  Agora que casei de novo, com o mesmo marido (coisa que todo mundo já deve ter notado, né?), comecei a ter vontade de fazer agrados culinários para ele. Olha que perigo! Claro que ficou uma briga interna intensa: a vontade de cozinhar e o medo de fazer tudo errado!  Mas a internet me salvou e resolvi seguir a minha vontade de cozinhar. 

Tudo começou na semana passada, quando comprei uma lata de atum e cismei que faria um jantar com aquela lata. Isso porque, até aquele dia,  a única coisa que eu sabia fazer com o atum em lata era patê, que faço muito bem, aliás.  Então comecei a procurar por receitas. Caí nos sites de sempre e que não me animavam, pois eu achava tudo muito complicado. De repente me deparei com uma receita de Escondidinho de Atum do Panelaterapia e adorei a receita. Descomplicada!  Receita escolhida, fui na padaria comprar o que faltava e me enfiei na cozinha.  E ficou muito bom e não tive dificuldades, o único problema é que não tinha um travessa do tamanho que precisava e acabei colocando numa grande demais e assim o purê de batata não deu pra cobrir todo o recheio. Ficou um semi-escondidinho, mas tava ótimo!

Ontem resolvei me aventurar novamente na cozinha e  fiz frango ao formo com batata sauté, tudo sozinha e seguindo também duas receitas do Panelaterapia. Coloquei o notebook na cozinha para ler a receita, como da outra vez, liguei o som no Spotify e preparei tudo como indicado. Frango ficou perfeito. A batata preciso aprimorar a técnica, pois não dourei o quanto deveria, pois fiquei com medo de passar do ponto. 

Nunca pensei que diria isto nesta minha existência, mas estou com vontade de me aventurar mais na cozinha. Estou descobrindo o prazer de cozinhar, atividade que para mim sempre representou o oposto. É curioso como as coisas mudam e eu resolvi que me deixar levar por esta mudança repentina que surgiu. Vamos ver se vou aprender a cozinhar de verdade. 



Nota da blogueira:  Não posso deixar de dar créditos ao Daniel, que me ensinou muita coisa durante o tempo que viveu aqui em casa. E ele tinha paciência comigo, me mostrava com detalhes como se fazia as coisas. Posso dizer hoje que sei cortar uma cebola decentemente.  Mas como eu sempre digo, tudo  pode mudar de repente e ele resolveu que o tempo dele de Brasil tinha acabado e voltou para Argentina. Faz um pouco mais de um mês. Uma pena. Restaram as lembranças , as saudades e um desejo enorme que ele seja muito feliz por lá. Ele merece. É uma pessoa muito bacana. 

Comentários

  1. Legal que você está aprendendo a cozinhar! Eu queria ter essa animação. Acho que sinto vontade de fazer alguma coisa na cozinha, sei lá, uma vez por ano! Detesto cozinhar, tenho imaginação e paciência zero, e ninguém aqui em casa come direito (além de mim e olhe lá). Ter que cozinhar todo dia nessas condições é desanimador, se não fosse pelas crianças eu viveria de restaurante e comida pronta!
    Daniel voltou então? Puxa, que pena! Espero que esteja tudo bem com ele lá :)
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Re, paciência para cozinhar é algo que eu tenho que trabalhar. tudo demora! Salvo que vc faça miojo! rs Não sei se eu conseguirei cozinhar direito, todo santo dia. Haja criatividade e disposição para criar cardápios. Aqui em casa tento ajudar o Wally e simplificar as coisas. Mas a cozinha ainda é território dele! rs Beijos

      Excluir
  2. ontem eu estava sem tempo de visitar os meus blogs amigos. e não vi o nome do blog, só a foto do prato e o cozinhando e pensei, ah, a marly postou. hahahahha, ela é do blog saboreando a vida e sempre posta pratos muito saborosos. como a foto está suculenta, jurei que era um post dela. adorei saber que essa foto linda e esse prato apetitoso foi vc que fez. ah, o 007 está vindo me visitar e vamos na feirinha gastronômica aqui do lado. vamos ao post depois de tanta divagação. ah, eu amo cozinhar. amo cozinhar o trivial. gosto de improvisar e muito preguiçosa para seguir receitas. eu penso que cozinhar é como a maioria das outras profissões, precisa treinar muito. para escrever, arrumar cabelo, fazer unha, tudo é muita prática. mas concordo q sem talento tudo fica mais ou menos. tb acho q se moramos com alguém que cozinha muito bem como era o seu pai, nos acovardamos de tentar e errar. eu tb tenho medo de errar. se vou cozinhar pra mim faço sem problemas, mas qd convido alguém é um sufoco. meu pai é o melhor cobaia para experimentar. para ele tudo está bom, é coruja que só. só depois de testar com ele, é que tenho coragem de fazer para a minha mãe. e claro, o que faço pra ela parece que sempre dá errado pq morro de medo de errar. adorei o post. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pedrita, realmente nem parece post do meu blog! rs Espero que este seja o primeiro de muitos posts culinários. Vamos ver até onde vai esta minha disposição para cozinhar.

      beijos

      Excluir

Postar um comentário

Vamos, comente!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Na Secadora Não!

Meus Furacõezinhos!

Ovono