Sem Pensar




Dizer que a peça  "Sem Pensar" é uma comédia, é simplificar  o espetáculo. É comédia porque nos faz rir muito. Mas é drama também porque rimos de situações difíceis, muitas vezes é um riso tenso. Como é tenso o cotidiano da familia que vemos no palco. Nick (Kiko Marques) e Vicky (Denise Fraga) são um casal em crise. Um casal que mal consegue conversar sem que a conversa vire um briga histérica, resgatando mágoas passadas. Com eles vivem  Delilah (Julia Novaes), filha do casal, e Daniel ( Kauê Telolli), o rapaz que aluga um quarto na casa. Toda a história se passa  dentro da casa. As ações acontecem nos quartos, na cozinha e na sala.  O cenário foi muito bem planejado. É uma casa sem paredes, mas com os ambientes bem delimitados. 


Como numa casa de verdade, as ações acontecem simultaneamente. Enquanto a cena está focada em um diálogo na cozinha, por exemplo, vemos Daniel estudando em seu quarto e Delilah conversando com as amigas no outro quarto.  Gostei muito da dinãmica do espetáculo. Nas trocas de cena, os atores, ao som de uma música bem ritmada e forte, arrumam o cenário, para prepará-lo para as próximas cenas.  Adorei estas partes, apesar de ter levado um susto cada vez que a música começava. Ela sempre entrava de supetão, sem chance para me preparar para o impacto sonoro.
  
A peça expõe a falta de comunicação que afeta as pessoas. As pessoas estão tão centradas nos seus problemas que não conseguem conversar, não conseguem olhar para o outro. Não fazem esforço para tentar entender o outro e assim tentar se harmonizar com o outro. É incômodo ver o relacionamento do casal, ver que vivem aos insultos e  não há resquícios de respeito entre eles. Sinceramente dá medo de acabar assim algum dia. E o pior que sei que há casais assim na vida real.
Outro foco da história é o relacionamento de Delilah e Daniel. Ela, menina de 12 anos, encantada com o rapaz mais velho, de 21. Ela ainda carrega uma inocência infantil, e não enxerga o problema de uma relação assim pode causar na vida do Daniel. Ao mesmo tempo que Delilah é criançona, ela está conhecendo as emoções do início da adolescência. Daniel é um bom rapaz, sente-se atraído por Delilah e isso o pertuba muito. As cenas entre os dois transitam entre a graça, a sedução e a tensão. Há momentos que senti que o público fica em silência absoluto, sentindo toda tensão das cenas. Eu fiquei tensa também. O que vemos são duas pessoas que se gostam, sem maldade. Mas que, por conta das circunstâncias, não há lugar para esta relação naquele momento. Relação delicada que é encenada brilhantemente por Julia Novaes e Kauê Telolli. Os dois são ótimos.




A peça é de autoria de Anya Reis, uma jovem inglesa que escreveu o texto quando tinha 17 anos.  Denise Fraga e Luiz Villaça viram a montagem do espetáculo em Londres e resolveram  montar a peça aqui no Brasil.  Fiquei espantada quando soube que a autora era tão jovem (hoje ela tem 19 anos.). Um ótimo texto! E a montagem  brasileira ficou maravilhosa. A peça está em cartaz no teatro Tuca aqui em São Paulo, de sexta à domingo. 

Vale a pena assistir! 


Nota da blogueira: Eu assisti ao espetáculo na sexta-feira passada. Wally soube da peça, ficou curioso para assistir e me convidou para ir com ele. Adorei o convite!  :) 




 

Comentários

  1. deve ser como o espetáculo gorda, q tb tem momentos muito dramáticos. a famosa comédia dramática. tb fiquei com vontade de ver. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
  2. Pedrita, sim, acho deve ser no mesmo estilo da gorda. Vá assistir Sem Pensar, você vai gostar.

    Gammelo, espero que você tenha a chance de assistir.

    Beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Vamos, comente!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Na Secadora Não!

Ovono

Papel e caneta